terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Tarja Preta



Meu tempo é por onde minhas palavras escorrem
Gradativamente e sem exageros.
Um negativo se esfarela quando tocado por mim.
Não sou mais um tato puro e simplesmente.
Sou uma intuição efervescente, líquida
Estrutural e pós-moderna.

O desapego foi cultivado, brotou e floresceu.
É servido como chá e em dosagem mínima
Certas, freqüentes, necessárias e viciantes.
Não vivo mais sem esse elixir, poção mágica.
Estou curada da insensatez, antes crônica
Um presente, uma panaceia delirante.