domingo, 27 de janeiro de 2013

Dois anos desconexos.



Uma estranha comemoração esta que se faz
São dois anos, 730 dias, 17.520 horas
De momentos incríveis, terríveis e felizes
Desembocando em um “agora”.

E agora?
O “já” não existe mais e ainda se perde.
Em uma história descontínua e impossível de finalizar.
Porém, já não temo mais...

Foi-se embora a propriedade privada
Em nossa revolução tão íntima e libertina.
Vidas se entrecruzam, permanecem ou se vão.
Um laço qualquer é desnecessário e aprisiona.

O amor enfim,
Não exige certificado ou escritura de posse.
Está por aí, em ti, em mim...
E em todas e todos que passam por nós.

Guarda em teu coração o meu espaço sem medir
E irá compartilhar das minhas lembranças mais bonitas
Dos meus sentimentos mais puros...
Estes que só te pertencem e a ninguém mais.