segunda-feira, 23 de julho de 2012

Retorno à Themyscira.


Olá minha Mãe,
Escrevo para informar que por aqui
Não dá mais para viver.
A Terra está totalmente desumanizada
As máquinas insensíveis controlam
Todo um sistema injusto de fome
E miséria para os mais pobres.
A desigualdade reina de mãos dadas
Com a violência e o preconceito.
Não quero mais ficar por aqui, mãe.
Diga à Ártemis, Hera e Atena.
Que eu peço perdão pelo abandono.
Solicito que mande abrir os portões
De nossa cidade ensolarada.
Sinto saudade das nossas noites de lua,
Das canções ao redor da fogueira,
E do aroma dos lírios em nossos campos.
Quero atravessar a nado nossos rios e mares,
Encontrar o verdadeiro amor entre as mais belas,
E unir-me à liberdade cavalgando pelas montanhas.
Viverei da natureza, da poesia e do meu arco
Correndo pelas florestas,
Protegendo sempre nossos bichos,
Minhas irmãs e nossa gente.
Prometo repartir igualmente as riquezas
E a colheita será de felicidade.
Assinarei um contrato vitalício
Uma conjura de amor eterno e gratidão.