terça-feira, 17 de maio de 2011

Congruência Angular.


 
Seria assim
Fácil de explicar
Uma fórmula que encontrei
Para minimizar as diferenças
entre as igualdades
Superiores e inferiores
De todas as formas de amar.
Não há encaixe, adaptação
Isso é certo.
Mas os cálculos zeram
qualquer equação complexa.
Suplementando a 69 graus
de puro êxtase.
Reduzindo em fatores
de segundos suplicantes.
Escorregando no percentual líquido
Consigo encontrar o resultado
Da função genial de satisfação plena.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Ciúmes


 

Ali bem perto dos meus olhos
E mesmo longe dos meus domínios.
Pressinto a configuração do cenário
Desmanchando os nós da minha rede
Entre as neuroses que eu ouso pensar.

Tento não me destruir em palavras
Que se apresentam inevitáveis.
Estabeleço uma dialética enlouquecedora
E nesses momentos de tortura plena
Não me servem as flores do dia.

É quando os meus sentidos me traem
Me enganam e trazem à tona um passado.
Te faço chorar e me arrependo demais
Dos avisos falsos que nada sinalizam
E não cabem em nossa estória de amor.

Traquinagens de uma mente doentia
Avisto uma miragem embaçada.
Em vários desatinos ensandecidos.
Ilusão não é o que me falta
Pra desfalecer em meus delírios.

Para o nosso bem não existe perfeição.
Seria insensato contradizer o amor.
E perder a coragem na minha idade
Já é um acontecimento tardio.
Para não dizer esquisito.