sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Maldade

Veneno sem fórmula
Sem receita para comprar
Todos os dias você o cospe,
Visando atingir
A primeira pessoa feliz,
Que puder encontrar,
Não me estenda a mão,
Se ainda é capaz de abraçar.
E não me negue a chance
De ser como sou
Apenas para os fúteis
Que não se importam
Nem brilham
Como a felicidade
Que as estrelas ousaram
Me mostrar
Experimento, enfim
Sensações
Onde posso me extasiar
É esta a realidade que preciso
Nada mais me desvirtua
Sou apenas um ser humano
Livre...